The Magicians, a série despretenciosa… só que não.

Tags

, , , , , , ,

the-magicians-s01e01

Da esquerda para direita: Elliot, Alice, Quentin, Julia, Penny e Margo.

“Quando o mundo da magia entra em sua vida, de uma maneira sorrateira, sutil e muito estranha, demoramos a perceber que somos míseros pontos em um universo pequeno e acabamos indo contra a essa perspectiva. Talvez devêssemos ir com calma e ir pisando a um passo de cada vez… mas a mente nos prega peças e somos ousados para desafiar o oculto, que tolice, ir contra a ordem natural das coisas, mas espera, existe ordem natural nisso?! Será que podemos moldar a realidade?!”.

Hoje vamos dialogar com o leitor(a) do GamoBranco sobre uma série que talvez possa não ser magnífica, ou nem ser a melhor, nem a pior, no entanto uma coisa é fato, ela chama a atenção e tem uma ousadia impar em relação a muitas outras, o que remete aos quadrinhos citados nesse post, não por copiar ou plagiar, mas por ter elementos de conceito que parecem clichês ao primeiro momento, mas por ter um roteiro tão louco prova que até mesmo os clichês podem ser muito criativos e inovadores.

A primeira vez em que entramos em contato com o piloto dessa série, tudo parece ser direcionado às obras de J. K. Rowling. Todavia, sem tirar qualquer mérito dessa fantástica escritora e nem de seus livros, que são ótimos e têm uma importância gigante ao mundo literário, em minha sincera e humilde opinião tudo é muito próximo as grandes obras da Vertigo, tanto para “Livros da Magia” (1990, Neil Gaiman), “HellBlazer” (1988, vários autores, dentre eles Alan Moore e Garth Ennis), “Lúcifer” (1995, Neil Gaiman e Mike Carey) e “Preacher” (1995, Garth Ennis).

booksofmagic11

A Brigada dos Encapotados, os maiores magos da Vertigo/DC, em ordem da esquerda para a direita: Vingador Fantasma, Doutor Oculto, Mister Io e John Constantine.

Se você é um leitor que admira alguma dessas obras do selo Vertigo (DC), ou Marvel Max (Marvel), que são mais sombrias e adultas, definitivamente, deve dar uma chance a essa série, que tem tudo para cativar sua atenção.

Baseado na série de livros de Lev Grossman, The Magicians é uma aventura/fantasia com muita subjeção (pelo fato de tudo ser muito abstrato, a exemplo de “Os Livros da Magia“) e nos deparamos com o personagem central perdido em seus pensamentos, Quentin Coldwater (Jason Ralph), que a priori em comparação quase que inevitável a Timothy Hunter/Harry Potter, é uma pessoa cheia de esperanças, curiosidades e fascinação (ainda mais quando é vislumbrado ao mundo surreal), mas diferentemente de uma criança jovem e inocente, Quentin é um estudante maduro aos seus 20 anos aproximadamente, que está prestes a cursar uma faculdade que não lhe interessa e além disso sofre de um mal-estar comum àqueles que sonham (e que aspiram) a coisas maiores, pois nunca está totalmente confortado com o mundo, que aparentemente nunca está a seu favor.

244588

Série de livros de Lev Grossman.

Para essa persona o mundo poderia ser como em seu livro favorito, onde, a partir de um portal, jovens buscam por grandes aventuras dentro de outra realidade onde habitam seres místicos e míticos das culturas Celtas e Escandinavas em sua maioria.

wardrobe

C. S. Lewis seria uma fonte inspiradora? Descubra abaixo.

No entanto, como nada no mundo real pode depender de sua fantasia, seu caminho, assim como a de muitas pessoas comuns que vão entrar na faculdade, já está traçado e programado, sendo bem provável que vá seguir alguma carreira acadêmica que trará insatisfações e será alguém frustrado por suas opções ou escolhas erradas na vida.

Por ser uma pessoa que sempre preferia estar mais fora da realidade do que dentro, vagando entre seus livros e o mundo fantástico da literatura, sempre se sentiu incomodado por forças além de sua compreensão, sendo taxado de infantil ou em fuga de suas responsabilidades por sua amiga Julia.

The.Magicians.S01E01.720p.HDTV.x264-KILLERS.mkv_snapshot_13.20_[2016.04.15_19.58.34]

Após ter saído de uma cena meio confusa de emprego, ele recebe um envelope de uma policial, que aparenta ser o último capítulo de seus livros prediletos, que acaba causando uma discussão entre ele e sua amiga sobre responsabilidades.

Ao estar lendo um trecho do manuscrito, uma folha de papel acaba voando e Quentin tende a persegui-la, até que seja transportado para outro local/lugar, além de sua imaginação, onde terá que se submeter a uma exame desconhecido para algo que ele nem sequer tem ideia do que seja, mas que mesmo assim ele deseja.

E é assim a premissa inicial dessa série que me fez sentir na obrigação de compartilhar, sendo uma surpresa e tanto até a sua “Season Finale” (que foi ao ar em 11/04), em que nós e Quentin (o orelha, como devem ter percebido, com muito potencial, mas isso não quer dizer que seja capaz) somos cercados por esse universo de magia de Brakebills, mostrando que a magia não está para brincadeiras, palavrinhas bonitas e nem para crianças desesperadas.

Dentro dessa premissa vamos aqui tentar falar de alguns conceitos básicos estabelecidos, a magia, BrakeBills e a Besta, para facilitar uma compreensão sem alongar e dar spoilers.

 

Sobre a Magia

Assim como citado acima, a magia aqui apresentada não é algo que é usado somente para resolver pontos da trama, ela faz parte da história em si, desenvolvendo arcos dramáticos e de personagens; não haverá seres extremamente poderosos com demonstrações de poder excessivos, é muito mais de forma sutil e franca.

books-of-magic-cover

Assim como nas aventuras de Timothy Hunter em Livros da Magia, (que talvez seja um dos trabalhos mais pop do mestre dos sonhos, Neil Gaiman) – em que ele tem o potencial de ser o maior mago do mundo (sobrepondo até mesmo Constantine e Vingador Fantasma) viajando entre dimensões e reinos, em The Magicians a magia aparenta caminhar numa linha tênue entre mundo paralelos da mitologia, do pensamento e até das projeções astrais, uma ideia muito mais abrangente e menos dimensionada em alterar a realidade; seria muito mais em acreditar do que na potência inerente.

Ela está em todos os lugares e exige que você a compreenda, caso o contrário cobrará um preço muito caro dependendo do pedido ou do erro. Lidar e ensiná-la as vezes é como “[…] um cego guiando outro” (John Constantine, Livros da Magia).

maxresdefault2

Logicamente que a magia se materializa em algum poder de ataque ou em encantos de proteção, mas para esse último os aspectos ritualísticos estão muito presentes, o que torna as coisas muito mais diferentes das habituais, dificilmente haverá alguma proclamação em latim, pra executar algum tipo de manifestação de poder, aspecto muito parecido com as histórias de Constantine em Hellblazer, onde ele faz mais rituais diversos, sendo eles da cultura egípcia, celta, maia e hebraico/cristão.

The.Magicians.S01E01.720p.HDTV.x264-KILLERS.mkv_snapshot_21.14_[2016.04.15_20.30.21]

Quentin em seus momentos de inspiração… onde a magia é representada como um molde a sua realidade e não a algo já pronto e pré determinado.

BrakeBills

The.Magicians.S01E01.720p.HDTV.x264-KILLERS.mkv_snapshot_14.34_[2016.04.15_20.32.26]

Aparentemente a Faculdade de magias do mundo físico, onde aqueles com potencial são selecionados a partir de testes de aptidão para que se aprofundem nos conhecimentos e nas artes ocultas da magia.

BrakeBills, ao contrário da escola de  magia de Harry Potter, Hogwarts, só aceita adultos em sua pós puberdade, onde o poder já está florescendo (pelo que pude entender) e onde seu corpo é mais pleno.

The.Magicians.S01E01.720p.HDTV.x264-KILLERS.mkv_snapshot_17.05_[2016.04.15_20.24.50]

Ao que nos é apresentado, há um conselho da magia, no entanto ele não atua no mundo externo sendo uma polícia, se é que há alguma, no entanto BrakeBills pretende ensinar as éticas para os praticantes esperando que eles tenham o bom senso, o que pode acontecer ou não, conforme o próprio reitor diz. Não fica a cargo da escola se vão ou não se beneficiar da magia, mas sim se vão usar direito, sem provocar entidades ou mexendo com o proibido.

 

Fillory And Further

Fillory and Further” (a tradução mais literal seria: Fillory e mais além) é de um autor ficcional chamado de Christopher Plover (que é um autor/livro criado apenas para cumprir os propósitos dessa história), que conta a história da família Chatwin, mais especificamente dos irmãos Jane e Martin, que vão a esse mundo (a lá Narnia de C. S. Lewis), não entrando em um armário durante a Segunda Guerra Mundial, mas por meios mágicos na Segunda Guerra Mundial (redundância usada intencionalmente rsrsrs), para resolverem desbravar aquele universo de probabilidades.

The.Magicians.S01E12.720p.HDTV.x264-AVS.mkv_snapshot_42.24_[2016.04.15_20.43.57]

Aqui está o centro de toda trama, um lugar feito a partir da magia pura, onde os sonhos são realidades as criaturas mais estranhas aparecem. A princípio um local de fantasia literária se torna um templo a ser alcançado pelo grupo mais louco de Brakebills, que vai justificar a criação e vinda da “Besta”, que é um mago de altíssimo poder que vive em Fillory por motivos meio estranhos.

 

A Besta

O grande vilão da temporada, a figura a ser superada, o ser mais desprezível, que mata quase uma sala inteira de alunos em BrakeBills e ainda humilha o reitor, numa ação meio nojenta mas visualmente forte, sem spoilers esse talvez seja o motivo para tudo que vai vir ao futuro.

the-beast-magicians-syfy

A Besta está vagando em outro mundo, mas será que enfrentá-la é adequado? Como poderiam estar em pé de igualdade para um ser tão poderoso? Será humano?

 

Veredito

Desde o princípio “The Magicians” nos revela que, ao contrário de qualquer livro que trate de magia, não será uma dessas histórias com finais felizes, onde o personagem principal resolva tudo. Ao contrário dessa premissa, os outros magos também tem seu papel e são personagens fortes com características as vezes muito além das do próprio protagonista, dando uma justificativa plausível (mesmo dentro daquele mundo louco) para seus papeis estarem ali.

Os contos são obscuros, com elementos ousados e de maus presságios, que não vão te entregar aquilo que deseja que aconteça, te desafiando a imaginar aquilo que vai acontecer e colocando pequenas observações nos detalhes (alguns repletos de palavrões, bebidas, cigarros, prazer e sexo, sim meus caros, é uma série adulta até demais, recomendaria para maiores de 30 anos).

Claramente por ter sido a primeira temporada e pelos atores, produção e roteiristas estarem se habituando, descobrindo e moldando a série ao que deverá ser no futuro, as vezes ela sofre com problemas de ritmo, onde algumas partes do roteiro não se encaixam, ou se encaixarão 08 episódios depois, causando uma impressão de falha na história, principalmente nos episódios 2 ao 4, onde as coisas parecem não se conectar bem, mas garanto que a qualidade da série vai melhorando drasticamente e subindo a um nível muito alto ao final onde estará o ápice da temporada.

Apesar de ser uma produção do SyFy, como devem ter reparado, podem ficar despreocupados, pois muito diferente das últimas produções desse canal (como a série 12 Macacos, que sofreu criticas pesadas), é uma boa série que está ajudando a escrever uma nova página que precisavam.

The Magicians teve uma audiência consideravelmente alta (considerando que era uma série desacreditada pela maioria) que foi aumentando a cada episódio durante sua exibição, garantindo um público fiel e que comprou a premissa (lembrando aos tempos de Battlestar Gallatica); valendo ressaltar também que desde o terceiro episódio já foi confirmado uma segunda temporada e que faz tempo que algo assim não acontecia ao Syfy, então podem ficar tranquilos que haverá continuação da história.

Sem mais, fica a dica do Gamo Branco para essa série que realmente deve ter uma atenção para tudo que ocorre nela e isso sem grande produções ou milhões por episódios, somente uma boa ideia e bons roteiristas.